O propósito no serviço cristão

Mateus 20.25-28 – “Então, Jesus, chamando-os, disse: Sabeis que os governadores dos povos os dominam e que os maiorais exercem autoridade sobre eles. Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo; tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”.

João 18.36 – “Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui”.

Escrevo sobre propósito no sentido de se ter um alvo, uma motivação na vida. Nosso tema é sobre o propósito no serviço cristão. O que é isso? O que é serviço cristão? Pessoalmente não consigo conceber a ideia de cristianismo sem serviço. E isso está bem complicado atualmente. Poucas pessoas estão se dispondo a servir. Servir implica sacrifício pessoal, ao passo que ser servido implica sacrificar ou outros. Quando falo em servir, não falo dos que fazem coisas para aparecer, mas dos que entendem que cristianismo é serviço. Que o Reino de Deus só tem lugar para um Senhor, o restante são todos servos. Foi isso que Paulo quis dizer em 1Coríntios 3.5.

Não há nenhum exemplo melhor de serviço do que o próprio Cristo. Paulo (Fl 2. 6), nos diz que não há nenhum tipo sequer de direito que Jesus não possuísse, contudo, mesmo possuindo todos os direitos como Deus, abriu mão deles, para que a vontade do Pai fosse feita, por isso, a sua escada descendente, no tempo de Deus tornou-se ascendente e sentou-se a destra de Deus Pai.

Esse próprio Cristo, com autoridade, nos ensina que NO REINO DE DEUS, O MAIOR É O MENOR.

Jesus diz que a dinâmica e as leis do Reino são bem diferentes do mundo. É isso que as pessoas hoje não querem aceitar. Às vezes estamos preocupados com ritos exteriores, que mantêm a aparência, mas utilizamos as leis do mundo no Reino de Deus. Isso quebra o serviço.

Na dinâmica do Reino, Ele deixa 99 ovelhas em local seguro e busca uma que se perdeu. Na dinâmica do Reino, Deus se apresenta como um pai de família que foi desprezado pelo filho, mas que sempre esteve na porta, olhando para a linha do horizonte. Quando viu o filho, correu até ele e o abraçou.

Na dinâmica do mundo não há espaço para isso. Prefere-se segurar as 99 do que correr os riscos para encontrar a ovelha desgarrada. Prefere-se fechar a porta do que aguardar a volta do filho que se foi.

No Reino, as leis que governam é o amor, a benignidade, a humildade, a paz, a fé, a mansidão, etc., que geram pessoas prontas a servir. No mundo, como se diz, é a lei dos mais fortes. A lei do líder, do ambicioso, do dominador, do chefe. Dos senhores e governadores. Políticas sujas, interesses pessoais. Isso jamais gerará serviço. Pelo menos, não serviço a Deus.

NO REINO DE DEUS, O OBJETIVO SÃO OS OUTROS. Jesus diz claramente, que Ele não veio para ser servido, mas para servir. Ele é o exemplo máximo. Ele, em outras partes diz que veio para que tenhamos vida, e vida com abundância. Logo, servimos a Deus, quando nossa vida tem como objetivo o bem-estar dos homens, da criação de Deus. Servimos a Deus quando cumprimos o Seu propósito de levar vida aos que vivem a sua vida sem Vida. E isso eu posso fazer independentemente da minha posição social ou da minha vocação, pois todos nós precisamos servir a Deus com nossos dons e talentos, anunciando a Salvação que vem no nome de Jesus, até que Ele venha. Essa ideia é clara em Filipenses 2.4. O sentimento de um súdito do Reino de Deus deve ser altruísta.

NO SERVIÇO DO REINO, DEVEMOS COMPREENDER QUE AS LEIS DO REINO, NÃO SÃO AS DESTE MUNDO. Jesus disse a Pilatos: O meu reino não é deste mundo. Passei muito tempo tentando entender qual a abrangência desta afirmação de Jesus. Não sei se hoje a entendo em sua totalidade, talvez não. Mas cheguei a algumas conclusões sobre o que Jesus quis dizer:

i. As leis do Reino de Jesus não são parciais como as humanas.

ii. No Reino, não há preferências e nem importância social, como há no mundo.

iii. No Reino, não há negociação, como no mundo há.

iv. No Reino, o que conta, são as boas motivações do coração. São elas que serão avaliadas pelo Tribunal de Cristo, (1 Co 3.10-15) o fogo as provará.

Você precisa servir ao Senhor de toda a sua alma, de todo o seu entendimento. Servi-lo vai muito mais além que estar no culto, muito mais que pregar. Servi-lo é um estilo de vida (“Tudo que há em mim bendiga o seu santo nome”). Servi-lo é amá-lo. É se identificar com os projetos do Senhor para com as nossas vidas, é deixar os sonhos de Deus em nós acontecerem. É viver pelas leis do Reino, mesmo que queiram viver pelas leis dos homens. É buscar o bem do próximo, é se envolver com boas causas, é proferir vida nas palavras, é trabalhar para o desenvolvimento, crescimento e expansão das leis do Reino de Deus. Se assim fizermos, faremos a diferença, pois seremos diferentes. SOMOS SERVOS DO SENHOR. NOSSO PROPÓSITO DEVE ESTAR BEM CLARO EM NOSSAS VIDAS: UTILIZAR NOSSOS DONS E TALENTOS NO SERVIÇO DO SENHOR.

Pr. Eduardo Leandro Alves

Secretário Executivo de Missões

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado